COLUNISTAS

Existem crianças encantadas pelo circo. Este carioca da gema era completamente apaixonado pelos resultados inesgotáveis que a combinação de sete notas musicais podem proporcionar. São paisagens, texturas, cores, odores que fazem a gente viajar para longe. Músico frustrado que apanhou (muito) de guitarras e baixos elétricos, preferiu deixar esta paixão fluir por meio de textos jornalísticos sobre cantores, instrumentistas e compositores.
Tijucana raiz, casada com e mãe de um botafoguense, pescadora nas horas vagas. Formada nas mais nobres instituições brasileiras Colégio Pedro II, UFRJ e UERJ. A despeito do serviço público, encontrou na consultoria de estilo sua verdadeira paixão. Acredita que imagem é o cartão de visita de qualquer pessoa, e que deve refletir seu momento de vida!
Suburbano carioca criado nas peladas e brincadeiras de infância no "eixo" Olaria-Grajaú, tem nas veias muito sangue mineiro e também capixaba. É neto de um clarinetista que não pôde conhecer, no artístico lado paterno, e de um ex-jogador do Bonsucesso nos anos 30, no materno, o que explica sua paixão por Música e Futebol. Já era vidrado em Cinema quando se casou com uma atriz que lhe deu três filhos maravilhosos e o amor pelo Teatro, e cedo partiu para outra dimensão. Diz que começou a se tornar escritor quando ganhou um concurso de redação no colégio quando estava na 2ª série, superando colegas da 1ª a 4ª. O prêmio foi um quebra-cabeça de 300 peças que levou anos para ser montado com os pais e os irmãos. Na verdade, formou-se ouvindo os contos de fada que sua mãe lia e depois, por conta própria, indo vorazmente de gibis a livros escolares, jornais, revistas. Trabalhou por 25 anos como jornalista no RJ, em diversas editorias, sendo por mais tempo na de Esportes. Hoje mora em Florianópolis com sua amada. São vizinhos de lindas bruxas e isso não é folclore. Ou melhor, é sim, claro.
Carioca da gema, pedagoga de formação e artista por transgressão, vem fazendo da pintura e da escrita sua maior forma de expressão e comunicação com o mundo. Falar sobre o que a sociedade quer varrer pra baixo do tapete é sua maior realização.
Fabile é Psicologa e atua há mais de 24 anos na área de Recursos Humanos, Gente e Cultura. Já passou por diversos segmentos de empresas como White Martins, Golden Cross, Losango e Globosat, esta última permaneceu por 17 anos. Atualmente, lidera a área de Gente, Cultura e Facilities da Zoop. Fabile ama ler, praticar corrida, Yoga, assistir séries e estar com os amigos. Sua maior paixão é a sua família. Mãe de duas meninas, ela equilibra a vida de executiva, mãe, mulher e esposa. Tem como propósito de carreira, ampliar a diversidade e inclusão no mercado corporativo, além de ajudar as pessoas a crescerem e se desenvolverem profissionalmente.
Formado em Medicina pela UFRJ, é psicanalista, crítico de cinema e, atualmente, vice-presidente da Associação de Críticos de Cinema do RJ. Foi curador das mostras “Freud e a tela branca” (Cinemateca do MAM-2001) e “Ética na Sétima Arte” (Escola de Magistratura, 2008). Editor convidado do número especial sobre Cinema & Psicanálise da Revista TRIEB.
Felipe Lucena é jornalista, roteirista e escritor, sobretudo, cronista e tem uma vontade crônica de escrever, quase compulsivo. Na coluna, vai publicar crônicas semanais dos mais variados estilos. Afinal, cabe tudo em uma crônica. Fiquem à vontade.
Sou carioca, graduado em História, com mestrado em Serviço Social e doutorado em História. Professor da rede pública, acredita em uma sociedade que respeite as diferenças e busque a garantia de direitos a todos. Uma sociedade baseada na Declaração Universal dos Direitos Humanos.
Sou carioca, morador do Grajaú, compositor, músico, arranjador, professor e pesquisador de música, instrumentos de corda e de discos. Um visceral contemplador da existência, que acredita que a arte, particularmente, a música, é a mais natural e eficaz ferramenta de comunicação e integração. E que pode nos fazer perceber, novamente, humanos e nos tornar dignos do planeta que habitamos.
Minha carreira é pautada em comunicação, arte e educação desde a adolescência. Por isso sou locutor e interlocutor e sempre envolvido em projetos voluntários de arte e educação. Faço parte de um time de profissionais de uma das maiores empresas de comunicação do país: a rádio SulAmérica Seguros Paradiso, da Dial Brasil. Sou embaixador da Associação São Martinho e voluntário do movimento Playing For Change no Brasil desde 2015.
Apaixonada por arte, dança, teatro, cinema, música e pela vida, arquiteta e produtora cultural, encontra nas palavras escritas a melhor forma de se expressar. Mulher mais sortuda do planeta: 2 filhos maravilhosos e um grande amor são fonte inesgotável de inspiração!
Ricardo Dias é carioca. Nessa vida já foi tudo, palhaço, carpinteiro, seresteiro, vagabundo e plagiador de música antiga. Escreve bobagens, tolices, platitudes, tolêmias, desatinos, disparates e tontarias. É, majoritariamente, do contra. Belo, sem exageros desnecessários. Um pouco acima do peso.
Nesta coluna, apresento artistas independentes e trabalhos maravilhosos. Suas obras refletem a riqueza cultural e plural do nosso país. Existem muitos músicos talentosos por aí, que precisam ser ouvidos e terem seus trabalhos ecoados. É a música, mais uma vez emocionando e unindo pessoas e sonhos. Acompanhem toda sexta, porque ‘O Novo Sempre Vem’! Músicos, enviem seu release para: malize@jportal.com.br
Depois de cursar alguns anos de jornalismo encontrei na gastronomia os temperos que buscava para a vida. Mergulhei fundo neste universo e como Chef continuo explorando novos sabores, cores, texturas. A coluna Tá na mesa traz algumas receitas que aprecio e aproveito para dar dicas das minhas experimentações.

PORTAL INDICA

Velho Místico

Uma página no Instagram, chamada "Acaba Jovem Místico" me faz dar muitas risadas. A ideia é sacanear galácticos exageros de algumas pessoas ligadas às...

Indecências Femininas

Biologicamente falando, quando se nasce sob o gênero masculino, as indecências vão se incorporando à rotina de forma tão naturalizada, que passam a ser...

É para desejar parabéns para quem?

Voltando à vida (quase) normal, tenho ido a encontros, rolés, festas, enfim, ver os amigos. Outro dia, fui a um aniversário na condição de...

Um brinde ao chope

Relatos históricos apontam que o chope foi criado no Egito antigo – era uma forma de pagar trabalhadores e acreditava-se que a bebida tinha...

Menos Misoginia, mais Filoginia

Embora não sejam termos amplamente conhecidos, MISOGINIA e FILOGINIA são assuntos que necessitam ser explorados e difundidos para que possamos fechar essa conta no...

Satélite para ver gente de longe

Enquanto, pensava um tema para esta crônica, recebi a notícia da morte de um primo. Ele já não estava bem há um tempo e,...

Se as redes sociais fossem pessoas

As pessoas estão nas redes, muitas vezes, pouco sociais. Deveriam estar mais nas redes de deitar e menos nas de navegar, mas tudo bem....

Nossa dor Afegã

Depois da alegria olímpica, na entre safra esportiva entre este evento e a paraolimpíadas, muita tristeza tem chegado até mim. Desde a ocupação da...

George Harrison e os 50 anos de uma obra-prima

Enquanto os Beatles existiram, seu talentoso guitarrista George Harrison era um compositor bissexto. Quando a banda se dissolveu, em 1970, John Lennon, Paul McCartney...

Carta ao meu sobrinho

João Pedro, no dia que você nasceu, eu estava na praia, tinha ido pedalar, relaxar um pouco. Seu pai, meu irmão Fagner, me mandou...